Posts

Novo site, novos vídeos, fluindo na Cura das Águas

Querid@s amig@s,

Neste ano celebro 10 anos desde o meu primeiro trabalho de maior escala, um trabalho que deu o tom para tantos outros que vieram depois, e que ainda hoje é uma referência de integração positiva de edificação no ambiente construído, o projeto Harmonia 57. Esse projeto foi objeto de uma série de reportagens, artigos, e vídeos, e impulsionaram meu desejo de produzir materiais informativos e educativos, que ajudassem a trazer consciência e repertório para que mais e mais pessoas, técnicos ou leigos, pudessem se inspirar e aplicar na prática uma Nova cultura de cuidado com a Água. Uma cultura onde a Água seja o elemento central do processo de planejamento de toda e qualquer edificação, e porque não, também, objeto de reverência, afinal Ela é simplesmente a animadora de TODOS os processos vitais nesse planeta.

Ao longo desse período tive a oportunidade de me envolver diretamente com o atendimento e a aplicação desse novo conceito, o que une a visão ampla da Permacultura com as ferramentas providas pela Engenharia, em mais de 70 projetos implantados Brasil afora; e sempre imerso no prazer de trabalhar e comunicar, me dediquei cada vez mais à elaboração de materiais que pudessem difundir o potencial criativo dessa lógica de trabalho com a Água. Cartilhas, vídeos, relatórios, artigos, se misturavam com os tantos projetos desenvolvidos, e pediam um lugar onde pudessem ser encontrados e explorados de maneira organizada, e que agora disponibilizo à nossa crescente comunidade de cuidadores e amantes da Água: o novo site da Fluxus. Já ativo, preferi focar inicialmente na organização do conteúdo produzido para o público, hoje disponível na seção Biblioteca, enquanto uma pequena parte dos projetos desenvolvidos via Fluxus estão disponíveis na seção Portfolio. A intenção deste é disponibilizar de forma contínua todos nossos projetos, e ir adicionando os novos à medida em que vão sendo elaborados, de forma que possamos ter em breve, uma apresentação completa do que fizemos, e quiçá possa inspirar a adoção de uma prática projetual que promova o atendimento pleno das necessidades humanas e das necessidades do ambiente construído, em harmonia com os processos naturais que sustentam a vida na Terra. Que possa inspirar também novas lógicas de trabalho inspiradas na Água: de trabalhos conjuntos, de código aberto, sistêmicos, de impacto positivo, regeneração e cura.

Que as Águas fluam livres e possam cumprir seus Desígnios. Que no espírito da entrega e do serviço, possamos ajudá-la, desinteressadamente, em seus misteriosos percursos.

Grato à todos aqueles que fizeram, ou que fazem parte de nossa estória, e de todos aqueles que ainda virão.

Por todas nossas relações, Guilherme

 

 

 

Compartilhe:

Curso Criando Paisagens Produtivas com Água de Chuva – Junho/2017

“Água de Janeiro vale dinheiro” – ditado popular

No momento chove no Sudeste. Na verdade, chove há dias, e isso em pleno inverno, o período seco desta região que há pouquíssimo tempo vivia a maior crise de abastecimento hídrico de sua história,

No Distrito Federal, por sua vez, a crise de abastecimento se torna mais crítica:

Brasília entra em estado de emergência ambiental

http://www.metropoles.com/distrito-federal/seca-brasilia-entra-em-estado-de-emergencia-ambiental

Canteiro de obras para captação emergencial no Lago Paranoá começa a ser montado

https://www.agenciabrasilia.df.gov.br/2017/05/18/canteiro-de-obras-para-captacao-emergencial-de-agua-no-lago-paranoa-comeca-a-ser-montado/

Mesmo depois de intenso racionamento, os reservatórios que hoje abastecem o Distrito Federal possuem água para poucos meses de atendimento à população.

Esqueça os padrões habituais do clima, o novo normal são períodos de seca e chuva extremos que vem levando regiões de todo o mundo, depois de também passarem por situações extremas, a criar uma infraestrutura que acolha a água e recrie padrões integros para o ciclo hidrológico, numa abordagem também chamada de infraestrutura verde.

Parte fundamental desta baseia-se na criação de paisagens capazes de reter a Água, e impedir que ela simplesmente escoe. Para isso é preciso pensar como Água. Encontrar nichos onde ela possa ser acolhida, e passar a redesenhar todas novas edificações e espaços, no meio urbano, ou rural, de forma que sejam capazes de rete-la, criando Paisagens Produtivas com Água de Chuva.

Venha aprender a projetar e a construir paisagens vibrantes e resilientes usando telhados verdes e/ou azuis, cisternas, jardins de chuva, lagos, barraginhas, canais de infiltração, e mais!

CURSO: Criando Paisagens Produtivas com Água de chuva

LOCAL: Espaço Almagestum, Pedra Bela/SP

DATA: 16 a 18/Junho/2017

Mais informações: http://www.almagestum.pro.br/single-post/2016/12/03/CURSO-Criando-paisagens-produtivas-com-%C3%A1gua-de-chuva-com-Guilherme-Castagna—16-17-e-18Jun2017

Espero ver muitos de vocês por lá!

Um grande abraço,

Guilherme Castagna

Compartilhe:

Nova turma do curso Esgoto como fonte de recursos – atualização da agenda 2017

Caros amigos, em função da grande procura pelo curso “Esgoto como fonte de recursos” decidimos abrir uma nova turma nos dias 01 e 02/Julho.

Saiba mais em www.almagestum.pro.br, ou na página do evento no facebook, em https://www.facebook.com/events/1251701788280551/

Nossa agenda de cursos para 2017 ficou assim:

21 a 23/Abril: Manejo Integrado de água no Sítio Humanaterra

15 a 17/Junho: Criando paisagens produtivas com água de chuva, no Espaço Almagestum

01 e 02/Julho: Esgoto como fonte de recursos, no Espaço Almagestum

02 a 05/Novembro: Manejo Integrado de Água – curso estendido!, no Espaço Almagestum

Espero ver muitos de vocês em um ou mais destes!

Compartilhe:

Flowforms, Natureza Rítmica da Água e outros…4 cursos de Paul Van Dijk em Outubro no Brasil

Alguns de vocês devem se lembrar do post “Aplicação da tecnologia flowforms para o tratamento de esgoto da cidade de Soerendonk (Holanda)” que fiz em Junho do ano passado, anunciando uma série de cursos conduzidos por Paul Van Dijk.

wa

Flowforms aplicados em espaço público na Bélgica (Foto de Paul Van Dijk)

Animado com a perspectiva de conhecer de perto o trabalho de Paul e sua experiência com a aplicação dos flowforms para revitalização de água em estações de tratamento de esgotos, decidi participar do curso “Natureza Rítmica da Água”. Cheguei com a expectativa de ver flowforms funcionando, e saí com a certeza de ter “virado a chave”, de ter revigorado e renovado meu olhar para a Água, compreendendo que ela é de fato um mistério muito maior do que imaginamos, e que estamos apenas triscando em sua superfície. Como disse Paul no primeiro dia de curso, logo após um entre tantos exercícios de observação fenomenológica: “Água é Amor em forma de matéria”. Foi um curso para tocar fundo nos sentidos, de deixar de lado a razão e a lógica e simplesmente observar sem julgar, intuir, e deixar ser sensibilizado e ensinado pela Água.

Inspirado pelo aniversário de 1 ano desde esse momento, me animei a juntar força aos amigos do Curso do Rio para trazer Paul novamente ao Brasil para uma série de 4 cursos imperdíveis, 2 realizados em São Paulo (com apoio de Rios e Ruas!), e outros 2 cursos em imersão em Ilhabela.

Desta vez terei a honra de traduzir os dois cursos oferecidos em São Paulo, no Dojô Harmonia: Água – Equilíbrio Dinâmico Entre Polaridades, e Um Novo Olhar Para as Plantas, além de participar como ouvinte do curso em Ilhabela.

Para mim a grande mágica de Paul, que além de experiente projetista de flowforms (tendo sido aluno direto de John Wilkes – autor do livro “Flowforms“), é ainda artista plástico, escultor, dançarino e professor de fenomenologia de Goethe, é fazer com que cada aluno aprenda por si, através de suas próprias vivências ao longo de exercícios que reúnem movimento corporal, observação, escultura em argila, desenho livre, e outras técnicas.

Se quiser saber mais sobre a tecnologia flowforms, acesse o artigo “Aplicação da tecnologia flowforms para o tratamento de esgoto da cidade de Soerendonk (Holanda)“.

Para saber mais sobre os cursos de Paul Van Dijk no Brasil acesse o site do Curso do Rio.

Agradeço por partilhar em suas redes, e espero ver muitos de vocês ao longo desses encontros!

Um grande abraço,

Guilherme Castagna

Compartilhe:

Curso: Planejamento Ecológico de Sistemas Integrados de Água para Construções + TOP100 no ArchDaily Brasil

A elaboração de estratégias para o redesenho da relação do Homem com nossas Águas é a base do nosso trabalho, e nos move além do lugar comum de simples projetistas. Somos sim técnicos, mas também ativistas, e pessoas sensíveis às causas dos Homens e das Águas. Acreditamos que a Água é muito mais do que um recurso, e deve ser tratada com toda reverência. Daí, nos entregamos em cada projeto para que sejam funcionais, sensíveis, por que não elegantes, e fundamentalmente educadores, oferecendo amostras reais, concretas, de uma nova e necessária realidade, e de integração entre os diversos projetistas envolvidos em projetos dessa natureza. Acreditamos que cada um de nossos projetos tem um importante papel a cumprir junto aos seus stakeholders, o de sensibilizar e educar para uma nova relação, absolutamente positiva e regeneradora com este precioso e gracioso líquido. Por isso tanto nos encoraja e alegra a listagem de 3 de nossos projetos entre os TOP100 obras da arquitetura brasileira dos últimos anos, segundo o site ArchDaily Brasil:

Harmonia 57 (2007/2008, por Triptyque Arquitetos): http://www.archdaily.com.br/br/01-16694/harmonia-57-triptyque

Casa LLM (2011, por Obra Arquitetos): http://www.archdaily.com.br/br/771285/casa-llm-obra-arquitetos

Estádio Nacional de Brasília (2012/2013, por Castro Mello Arquitetura Esportiva): http://www.archdaily.com.br/br/623873/estadio-nacional-de-brasilia-mane-garrincha-castro-mello-arquitetos

Apesar de serem projetos realizados em contextos e escalas absolutamente diferentes entre si, todos foram elaborados em estreita associação com os arquitetos, e em diversas medidas, com os clientes finais, o que ofereceu um grau de afinidade e de potencial trabalho conjunto que permitiu que pudéssemos ir além de soluções técnicas pontuais, buscando a integração entre o Homem, a Arquitetura, e as Águas. Movidos por esse desejo de levar o conceito, usualmente referido como “Manejo Integrado de Água”, em que a Água é abordada sob uma visão sistêmica com intervenções que tenham impacto positivo sobre o ambiente construído, ou seja, que colaborem na restauração dos ecossistemas, quer urbano ou rural, é que decidimos oferecer um primeiro curso de “Planejamento de sistemas ecológicos de água em construções”, ofertados a técnicos ou leigos, para que se difunda essa abordagem.

O local do curso, e também fruto de um maravilhoso trabalho desenvolvido entre 2013 e 2016, é o recém-inaugurado Bananal Ecolodge, uma pérola encravada no sertão do Ubatumirim, bairro rural de Ubatuba, litoral norte de SP. O projeto contou com a dedicação incansável e espírito visionário dos proprietários, do trabalho precioso do escritório OS3 Arquitetura, da arte das construções em bambu com Robert “Zunn” Harris, do paisagismo do Viveiro Caeté de Ubatuba, e da alegre criatividade do Cristiano “Gá” Akiyama, dedicado à execução dos sistemas de água: das instalações hidráulicas em PEAD ao aproveitamento de água de chuva, da construção do biodigestor aos tanques de tratamento com plantas aquáticas em superadobe (terra ensacada) e estrutura flutuante.

Para saber mais sobre o projeto executado no Bananal Ecolodge, acesse a pasta do projeto na nossa página do Facebook: https://www.facebook.com/fluxus.eco.br/photos/?tab=album&album_id=1171304949552103

O curso também foi desenhado para fortalecer os diversos grupos que já atuam com a temática do Saneamento Ecológico, e da criação de sistemas descentralizados de abastecimento e tratamento de águas servidas nesta região. Uma realidade fundamentalmente necessária para que atinjamos de fato a universalização do saneamento em todas as cidades do litoral norte, cuja formação impede a adoção de sistemas centralizados.

Espero ver muitos de vocês por lá!

Em gratidão,

Guilherme Castagna

————————————————————————————————————

Planejamento ecológico de sistemas de água para construções – um impulso à restauração das águas no litoral norte paulista e sul fluminense
Com Guilherme
Castagna


Data: 25 e 26 de junho
Local: Bananal Ecolodge – Sertão do Ubatumirim – Ubatuba/SP

Os princípios de planejamento ecológico oferecem diretrizes para o redesenho das ocupações humanas de forma que água, alimento e abrigo estejam livremente disponíveis para toda humanidade. Toda e qualquer construção, independente da escala, pode e deve atuar de forma positivo sobre o ambiente construído, urbano ou rural. Neste curso exploraremos as estratégias e técnicas de manejo de água aplicados no Bananal Ecolodge, de forma que as demandas ecológicas do terreno, bem como do empreendimento fossem plenamente atendidos em abundância, com minima manutenção, e com a recriação de ciclos benéficos locais. Como? Veremos na prática como se dá o planejamento, operação e manutenção dos sistemas implantados no Bananal:
• Sistema de aproveitamento de água da chuva.
• Retenção, infiltração e paisagismo com jardins de chuva.
• Sistemas de filtragem e purificação da água.
• Sistemas biológicos de tratamento de esgoto com plantas aquáticas e produção de biogás.
• Telhados Verdes.

Guilherme Castagna
Sócio-fundador da Fluxus Design Ecológico, desde 2006 integra sua formação como engenheiro civil aos princípios de design ecológico na elaboração de projetos de sistemas inovadores de manejo integrado de água. Viveu em Ubatuba de 2006 a 2009, quando trabalhou com comunidades caiçaras, e integrou a CT-SAN do CBH-LN (Câmara Técnica de Saneamento do Comitê de Bacias Hidrográficas do Litoral Norte). É ativista, facilitador de cursos de permacultura e de manejo integrado de água, co-fundador do Movimento Cisterna Já, membro da Aliança pela Água SP, e colaborador de diversas ONGs. Projetou e acompanhou a implantação dos sistemas de água do Bananal Ecolodge. Premiado no Brasil e no exterior, teve 3 de seus projetos recentemente elencados na lista TOP100 da arquitetura brasileira, conforme o portal ArchDaily Brasil.

Valor por aluno de outras cidades: R$ 560,00
Inclui: Curso, duas diárias com café da manhã da manhã (suítes para 3 pessoas) e quatro refeições no Bananal Ecolodge. Chegada dia 24 a partir das 17:00.

Valor por aluno morador de Ubatuba (sem hospedagem): R$ 110,00
Inclui: o curso de dois dias e dois almoços.

Para moradores do Sertão do Ubatumirim e comunidades Tradicionais o curso é gratuito com colaboração espontânea ou trocas!

Para alunos sem hospedagem as aulas serão:
Sábado e Domingo das 9:30 às 17:00

Vagas Limitadas!
Inscrições até 19 de junho
Mais informações e reservas:
pelo site www.ecobananal.com.br – reservas
ou e-mail reservas@ecobananal.com.br ou (12) 99600-2145 / (11) 98210-0156, ou pela página do evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/1086352574758460/

Compartilhe:

Debate sobre a Crise da Água, e as soluções criativas oferecidas pela Permacultura, do micro ao macro

Amig@s, na próxima terça acontece um debate aberto mediado pelo jornalista Luiz Nassif na Casa da Cidade, em que eu e Marussia Whately, coordenadora da Aliança pela Água, faremos uma exposição conjunta da situação, dos desafios, dos problemas, das obras em andamento e previstas pelo governo do estado, e outros caminhos possíveis para vivermos uma vida digna com segurança hídrica na macrometrópole paulista. Do micro ao macro, da residência às estratégias urbanas, que caminhos a permacultura, como ciência de design ecológico, oferece para criarmos uma relação saudável e positiva com as nossas águas. Recomendo!

Este evento é um encontro de uma série de três promovido pelo coletivo PermaSampa em conjunto à Aliança pela Água e Casa da Cidade, para oferecer um olhar criativo e proativo sobre a Crise. Damos com esse mais um passo importante para a disseminação de boas práticas, saude, qualidade de vida e segurança hídrica. Junte-se a nós!

Um grande abraço,

Guilherme Castagna

Compartilhe:

Aplicação da tecnologia flowform para o tratamento de esgoto da cidade de Soerendonk (Holanda)

Na reta final para a realização do curso “A Natureza Rítmica da Água“, compartilhamos o artigo abaixo, escrito por Paul Van Dijk (facilitador do curso) e traduzido pelos parceiros do Curso do Rio, em que o autor compartilha os princípios fundamentais da aplicação da tecnologia dos flowforms para a revitalização da água tratada por uma ETE na cidade de Soerendonk, na Holanda. Uma experiência de revitalização plena e de elevados princípios de restauração ecológica.

O Curso acontece dos dias 03 a 05 de Julho na Fazenda Retiro, em Ilhabela. Estaremos lá!

Boa leitura!

http://cursodorio.com.br/home/aplicacao-da-tecnologia-flowform-no-tratamento-de-agua-de-esgoto-em-soerendonk-holanda/

Aplicação da Tecnologia Flowform® no Tratamento de Água de Esgoto em Soerendonk – Holanda

Situação e Ambição

Escondida atrás da densa vegetação, a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Soerendonk já trata a água de esgoto doméstico das cidades vizinhas há mais de 40 anos. Visando modernizar esta ETE, o Comitê de Águas De Dommel começou a considerar as mais modernas tecnologias disponíveis na Europa.
O desempenho técnico de purificação da ETE foi melhorado. A integração na paisagem foi garantida pelo cuidado com a arquitetura, com a preservação de estruturas verdes e com o reforço dos principais elementos da estrutura ecológica. Trilhas de caminhada e ciclismo ao longo dos cursos d’água foram integrados em um circuito regional de lazer.
Em uma Gaita D’Água (Water Harmonica) construída em grande escala, na qual o efluente dos filtros de areia é oxigenado e ritmicamente tratado em uma cascata de flowforms®. Deste modo o efluente é limpo de resíduos bacterianos e inoculado com os organismos típicos da flora e fauna da micro bacia. O resultado é a pedra fundamenta deste projeto servindo integralmente às ambições do comitê. Outros objetivos alcançados são a melhoria da qualidade dos efluentes, armazenamento de água na bacia hidrográfica, restauração da paisagem natural e a criação de opções recreativas e educativas para o público.

A Gaita D’Água

Flowforms in SWTP Soerendonk (Engels)O design da Gaita D’Água Soerendonk é composto por três seções,  construídas no entorno da ETE convencional: lagoas daphnia (1), pântanos vegetados (2) e a  lagoa pró biótica (3) (a partir de onde a água é levada através de uma passagem de peixes para o rio Buulder Aa ). O filtro de areia faz com que seja possível poupar espaço, porque por este filtro a carga da matéria em suspensão nos tanques de daphnia diminui. Além disso a economia de espaço é obtida usando o pântano vegetado parcialmente como um filtro, com plantas aquáticas submersas. Todo o efluente das águas residuais de 40.000 habitantes (5000 m³/d) é tratado nesse sistema, com capacidade hidráulica máxima de 1.000 m³/h. No total, o tempo que a água permanece na Gaita é de 4 dias.
Todo o sistema  da Gaita D’Água Soerendonk é aberto ao público. Um percurso de bicicleta leva à uma ponte sobre as lagoas de daphnia na seção 1 (linha amarela, à direita da figura 1), com vista para a cascata de flowforms®. Por meio de um passeio as seções 2 e 3 podem ser visitadas e experienciadas.

A Cascata de Flowform®

Entre o filtro de areia da antiga instalação convencional (diretamente acima de 1) e as Flowforms in SWTP Soerendonk (Engels)logoas de daphnia, foi construída uma cascata de flowform® (à direita de 1), que da ao efluente um tratamento rítmico. Pela primeira vez no mundo todo o fluxo de efluentes de uma estação de tratamento de esgoto será integralmente submetido a um processo rítmico de vitalização, o que não só irá melhorar a quantidade de oxigênio na água de uma forma perfeita, mas que também tem um efeito estimulante sobre toda a ecologia da bacia hidrográfica. Esse sistema foi desenhado pelo artista Paul van Dijk, que enfrentou o desafio de traduzir os modelos existentes de flowform em pequena escala para um conceito tecnicamente viável para grandes vazões, lidando também com uma inclinação muito sutil (5%).
O movimento extremamente vivaz da água pode ser observado a partir da ponte para bicicletas.
A cascata consiste em 45 fileiras de flowform® cobrindo uma área de cerca de 30 x 6 metros. Uma fileira contém 6 módulos. Cada módulo consiste de 3 flowforms®. Consequentemente, uma fileira é composta por 18 flowforms®.
O fluxo total de água que abastece o sistema é distribuído igualmente entre estas 45 fileiras.
Uma unidade flowform®, projeto de Paul van Dijk, mede cerca de 50 x 100 x 15 cm, é feita de um poliéster(totalmente fechado) e preenchida com espuma PU. Uma unidade contém 3 Flowforms®.

Ritmo e Tecnologia  Flowform®

A água é a portadora da vida. Água saudável é de importância crucial para a emergência e manutenção dos processos vitais.
Paul van Dijk: “pela observação cuidadosa do comportamento da água em diferentes situações naturais, torna-se claro que é da natureza das águas reagir com ritmo à resistência, por menor que esta seja. E, em particular, com um trajeto de vórtices espiralando para a esquerda e a para direita. Pense, por exemplo, em um rio sinuoso  ou na sequência de vórtices gerados atrás de um pilar em um rio. Com vórtices em espirais rítmicas a água esta em seu elemento”.

Flowforms in SWTP Soerendonk (Engels)

Imagem 1: Uma trilha de vórtices feita pelo movimento linear de um pincel da esquerda para a direita em água parada, visível pelo uso de um contraste branco.
Imagem 2:Diagrama dos movimentos da água através de uma cascata de flowforms.

Paul: “Na concepção de um flowform® eu tento “estruturar” a resistência criando relações sutis e curvaturas nas superfícies, de modo que a água reaja com um ritmo persistente no padrão de fluxo em lemniscata. É isso que eu chamo do princípio da fowform®. O flowform® foi desenvolvido empiricamente de acordo com a natureza da própria água. A água que foi ritmicamente tratada desta maneira pode ser portadora de uma variedade de processos de vida “.

Flowforms in SWTP Soerendonk (Engels)

Primeiro no Mundo

Flowforms in SWTP Soerendonk (Engels)Essa é a primeira vez que o princípio da flowform® encontra aplicação nessa escala, para um volume grande de água e com tão pouca inclinação (aqui houve pouca declividade disponível, apenas 30 cm). Este projeto foi concluído na Primavera de 2012.

 

 

 

Tradução: Esse artigo foi traduzido por Gabriel Barbosa Lima com autorização direta de Paul Van Dijk

Bibliografia: Schwuchow: água energizante, tecnologia flowform e o poder da natureza. Sophia Books, Reino Unido de 2010.
John Wilkes: Flowforms. O poder rítmico da água. Floris Books, Reino Unido de 2003.
Theodor Schwenk: Das caos sensata. Verlag Freies Geistesleben. Stuttgart (DE) 1962
www.paul-van-dijk.com

Compartilhe:

Curso: Manejo Ecológico de Água (Humanaterra, de 01 a 03/Maio)

Acontece de 01 a 03/Maio, na sede do Instituto Humanaterra, em São Lourenço da Serra/SP, a apenas 50km de São Paulo, mais um curso de Manejo de Água facilitado por Guilherme Castagna. Dessa vez com 3 dias de duração, para balancear teoria e prática, ações e reflexões, vamos dedicar um tempo ao exercício de planejamento da sede do Instituto, que irá contar com roda d´agua para bombeamento de água, diversos sistemas de captação, aproveitamento, e manejo de água de chuva na paisagem, com uso e abuso de jardins de chuva e canais de infiltração (swales), banheiro seco, tratamento de águas cinzas (sem fezes) e pretas (do vaso sanitário), irrigação de frutíferas com água cinza, e tratamento de água em pequena escala.

As ações realizadas a cada curso vão gerando a resiliência necessária para o instituto, e vão transformando a sede numa referência aplicada para os moradores do entorno e da cidade. Com o curso do ano passado já temos no lugar dois canais de infiltração plantados e estabelecidos na encosta, um vermifiltro para tratamento de água do vaso do alojamento e do futuro vestiário, dois círculos de bananeiras instalados em áreas inclinadas, e a estrutura básica de um filtro lento de areia, que receberá água de chuva captada de um telhado elevado, abastecendo a sede com três fontes de água: nascente + roda d´agua instalada no pequeno córrego local + água de chuva!

Desta vez vamos montar um sistema de aproveitamento de água de chuva com uma cisterna de 5.000 litros, terminar de montar um filtro lento de areia com capacidade de tratamento de 2.000 litros por dia para receber a água de chuva captada, e conecta-la a um conjunto de caixas existentes – se chover já vamos beber dessa água! Vamos ainda montar um filtro lento de areia caseiro para tratar água em pequenos volumes para ingestão, um filtro ainda pouco utilizado no Brasil e com enorme potencial de aplicação na melhora das condições de abastecimento em comunidades isoladas para uso com água de chuva, ou água de nascente.

O curso é oferecido a técnicos ou leigos, e foca nos princípios básicos, e oferece cálculos simplificados de dimensionamento dos sistemas abordados para todas as idades e formações. Se você quer aprender a lidar com a água de maneira integrada, está afim de trocar experiências e colocar a mão na massa, e se preparar melhor para a grave e complexa crise de Água que chegou para ficar, taí a oportunidade!

 Atenção! Curso confirmado, últimas vagas!

Para mais informações, acesse: http://www.humanaterra.org/2015/02/04/agua-manejo-ecologico/

Compartilhe:

Palestra no Seminário Nacional de Arquitetura Paisagística – 27/Abr

Como projetar paisagens que acolham e integrem a água de maneira funcional em seus projetos? Como escolher plantas apropriadas para baixa disponibilidade de água? Como projetar áreas verdes considerando as possibilidades de incorporar água de reuso? Essas são algumas questões abordadadas no Seminário Nacional: Arquitetura Paisagística em tempos de crise hídrica, no qual teremos o prazer de oferecer uma palestra focada na incorporação dos conceitos da dita “Infraestrutura Verde”, ou por assim dizer, dos serviços ecossistêmicos oferecidos pela natureza inseridos num contexto de planejamento urbano em que o manejo apropriado de água passa a ser incorporado como elemento fundamental para a criação de cidades mais resilientes. Bom assunto para um, ou mais dedos de prosa!

Mais informações em http://www.abap.org.br

Saudações!

Compartilhe:

Palestra no Escritório Piloto da Escola Politécnica da USP

De tanto em tanto sou convidado a oferecer palestras, e fico feliz em compartilhar com gente nova e empenhada, que está afim de ouvir e trocar experiências, duvidas e sonhos. Por estar na universidade me fez lembrar de minha retomada no mundo da Engenharia, e da sequência de palestras com o Professor Plinio Tomaz, que adotei como Mestre nesse reinício, um figura cuja atitude de compartilhar o conteúdo me ajudou a esclarecer muitas de minhas dúvidas, e que inspira meu barato de compartilhar materiais de estudo e de trabalho. Aliás, gratidão Plinio!

O filtro do dia foi a chuva que caiu implacável, depois de 30 dias de seca em SP, engarrafando o trânsito e empatando o meio de campo de quem estava a caminho da palestra, eu inclusive. Mas curto chuva, e o pessoal presente, pelo jeito, também. Sala cheia, conhecidos, amigos e gente nova, curto a vibe! Me lembrou do Centro Acadêmico da Mauá, só faltou a mesa de pebolim, os gritos de truco, e o cheiro das máquinas de xerox, inconfundíveis.

Prá não ter que reescrever algo que já foi escrito, compartilho aqui um relato produzido sobre o encontro:

“Realizada no dia 22 de Maio a convite do Escritório Piloto da Escola Politécnica no dia 22/Mai, a palestra e apresentação de Guilherme Castagna atraiu alunos de outros cursos da Universidade de São Paulo, além de alunos e professores de outras universidades, bem como de profissionais envolvidos na temática do uso sustentável da Água para uma apresentação voltada aos alunos do curso de Engenharia. Guilherme compartilhou sua trajetória como Engenheiro Civil, do encantamento inicial com o potencial realizador da engenharia e o início de carreira em obras de construção pesada, do descontentamento gerado pelo reconhecimento do impacto negativo das grandes obras e mudança de rumo profissional com o envolvimento com a permacultura e organizações sócio ambientais, até a retomada profissional como engenheiro, integrando sua formação acadêmica com a perspectiva do design ecológico, dedicado a unir as duas para a promoção de uma integração harmoniosa entre a sociedade e a agua. Destacou a visão em que os alunos passam a ser sementes de uma nova abordagem da engenharia, uma que enxerga e valoriza o potencial do homem no suporte a regeneração dos sistemas naturais, e promove o desenvolvimento da sociedade com base em princípios éticos e de abundancia, numa referencia a obra “Manual de Instruções da Espaçonave Terra”, do engenheiro e visionário americano Buckminster Fuller, e obviamente à permacultura.

Revisitou princípios básicos do design ecológico em aplicações praticas para o Manejo Integrado de Agua, destacando o potencial de geração de impacto positivo das edificações com a redução do consumo de água potável através da adoção de medidas e equipamentos de baixo consumo, complementado pelo aproveitamento de fontes locais para abastecimento de água não-potável, a integração da chuva na paisagem com adoção de técnicas de drenagem sustentável, e o tratamento diferenciado de águas servidas, com a valorização de tratamentos localizados para águas cinzas (sem fezes) e águas pretas (com fezes), fazendo referências à projetos de edifícios residenciais e comerciais, integrantes de seu portfolio de trabalho. Elucidou a aplicação prática dos princípios revisitando dois de seus mais conhecidos e premiados projetos: o Edifício Harmonia 57, vencedor do prêmio internacional Zumtobel 2010 de Sustentabilidade no Ambiente Construído, e destaque nas Bienais de Veneza e de São Paulo, para o qual desenvolveu estratégia e projeto técnico de instalações hidráulicas, aproveitamento de agua de drenagem e de agua de chuva, alinhados a perspectiva do desenvolvimento de baixo impacto (LID – Low Impact Development), em que é minimizado o escoamento superficial, e promovida a melhoria da qualidade da água de escoamento, com uso de telhado verde, paredes verdes dotadas de irrigação por nebulização, e infiltração de água. A seguir despertou a atenção o desenvolvimento de projeto de manejo integrado de aguas pluviais elaborado entre 2012 e 2013 para o entorno do Estádio Nacional de Brasília, em que 100% do uso de agua não-potável do estádio será de água de chuva, tanto dos volumes captado nas coberturas, mas em especial pelos volumes retidos nos elementos de drenagem sustentável adotados, como pavimentos permeáveis, biovaletas, jardins de chuva, wetlands, e um lago, dotado de bombas solares para recirculação e posterior uso para usos não-potáveis no interior do estádio. O estádio hoje pleiteia o nível máximo de certificação LEED, no nível Platinum, certificação não atingida por nenhum outro estádio no mundo. O projeto desenvolvido pela Fluxus Design Ecológico, escritório coordenado por Guilherme, superou as exigências para a certificação estabelecido pelos créditos 6.1 e 6.2, e alcançou níveis exemplares abrindo espaço para pleitear créditos adicionais em função de sua excelência.

O material apresentado está disponível para visualização e download no endereço http://pt.slideshare.net/guicastagna/palestra-no-escritrio-piloto-da-escola-politcnica-da-usp

Apesar de rápido, adorei o encontro, e me empolgo com as possibilidades de facilitar a criação de um espaço renovado dentro da academia para que Engenharia e Permacultura sigam caminhando de mãos dadas, fluindo nas mentes e corações inspirados dos novos alunos, e nas ações promissoras dos futuros engenheiros-permacultores. Convites de parcerias com universidades reforçam  o sentimento. Que assim seja!

PS: Meu sincero agradecimento ao Lucca do EP pelo convite, e ao Bruno pela carona…

Compartilhe: