Palestra no Escritório Piloto da Escola Politécnica da USP

De tanto em tanto sou convidado a oferecer palestras, e fico feliz em compartilhar com gente nova e empenhada, que está afim de ouvir e trocar experiências, duvidas e sonhos. Por estar na universidade me fez lembrar de minha retomada no mundo da Engenharia, e da sequência de palestras com o Professor Plinio Tomaz, que adotei como Mestre nesse reinício, um figura cuja atitude de compartilhar o conteúdo me ajudou a esclarecer muitas de minhas dúvidas, e que inspira meu barato de compartilhar materiais de estudo e de trabalho. Aliás, gratidão Plinio!

O filtro do dia foi a chuva que caiu implacável, depois de 30 dias de seca em SP, engarrafando o trânsito e empatando o meio de campo de quem estava a caminho da palestra, eu inclusive. Mas curto chuva, e o pessoal presente, pelo jeito, também. Sala cheia, conhecidos, amigos e gente nova, curto a vibe! Me lembrou do Centro Acadêmico da Mauá, só faltou a mesa de pebolim, os gritos de truco, e o cheiro das máquinas de xerox, inconfundíveis.

Prá não ter que reescrever algo que já foi escrito, compartilho aqui um relato produzido sobre o encontro:

“Realizada no dia 22 de Maio a convite do Escritório Piloto da Escola Politécnica no dia 22/Mai, a palestra e apresentação de Guilherme Castagna atraiu alunos de outros cursos da Universidade de São Paulo, além de alunos e professores de outras universidades, bem como de profissionais envolvidos na temática do uso sustentável da Água para uma apresentação voltada aos alunos do curso de Engenharia. Guilherme compartilhou sua trajetória como Engenheiro Civil, do encantamento inicial com o potencial realizador da engenharia e o início de carreira em obras de construção pesada, do descontentamento gerado pelo reconhecimento do impacto negativo das grandes obras e mudança de rumo profissional com o envolvimento com a permacultura e organizações sócio ambientais, até a retomada profissional como engenheiro, integrando sua formação acadêmica com a perspectiva do design ecológico, dedicado a unir as duas para a promoção de uma integração harmoniosa entre a sociedade e a agua. Destacou a visão em que os alunos passam a ser sementes de uma nova abordagem da engenharia, uma que enxerga e valoriza o potencial do homem no suporte a regeneração dos sistemas naturais, e promove o desenvolvimento da sociedade com base em princípios éticos e de abundancia, numa referencia a obra “Manual de Instruções da Espaçonave Terra”, do engenheiro e visionário americano Buckminster Fuller, e obviamente à permacultura.

Revisitou princípios básicos do design ecológico em aplicações praticas para o Manejo Integrado de Agua, destacando o potencial de geração de impacto positivo das edificações com a redução do consumo de água potável através da adoção de medidas e equipamentos de baixo consumo, complementado pelo aproveitamento de fontes locais para abastecimento de água não-potável, a integração da chuva na paisagem com adoção de técnicas de drenagem sustentável, e o tratamento diferenciado de águas servidas, com a valorização de tratamentos localizados para águas cinzas (sem fezes) e águas pretas (com fezes), fazendo referências à projetos de edifícios residenciais e comerciais, integrantes de seu portfolio de trabalho. Elucidou a aplicação prática dos princípios revisitando dois de seus mais conhecidos e premiados projetos: o Edifício Harmonia 57, vencedor do prêmio internacional Zumtobel 2010 de Sustentabilidade no Ambiente Construído, e destaque nas Bienais de Veneza e de São Paulo, para o qual desenvolveu estratégia e projeto técnico de instalações hidráulicas, aproveitamento de agua de drenagem e de agua de chuva, alinhados a perspectiva do desenvolvimento de baixo impacto (LID – Low Impact Development), em que é minimizado o escoamento superficial, e promovida a melhoria da qualidade da água de escoamento, com uso de telhado verde, paredes verdes dotadas de irrigação por nebulização, e infiltração de água. A seguir despertou a atenção o desenvolvimento de projeto de manejo integrado de aguas pluviais elaborado entre 2012 e 2013 para o entorno do Estádio Nacional de Brasília, em que 100% do uso de agua não-potável do estádio será de água de chuva, tanto dos volumes captado nas coberturas, mas em especial pelos volumes retidos nos elementos de drenagem sustentável adotados, como pavimentos permeáveis, biovaletas, jardins de chuva, wetlands, e um lago, dotado de bombas solares para recirculação e posterior uso para usos não-potáveis no interior do estádio. O estádio hoje pleiteia o nível máximo de certificação LEED, no nível Platinum, certificação não atingida por nenhum outro estádio no mundo. O projeto desenvolvido pela Fluxus Design Ecológico, escritório coordenado por Guilherme, superou as exigências para a certificação estabelecido pelos créditos 6.1 e 6.2, e alcançou níveis exemplares abrindo espaço para pleitear créditos adicionais em função de sua excelência.

O material apresentado está disponível para visualização e download no endereço http://pt.slideshare.net/guicastagna/palestra-no-escritrio-piloto-da-escola-politcnica-da-usp

Apesar de rápido, adorei o encontro, e me empolgo com as possibilidades de facilitar a criação de um espaço renovado dentro da academia para que Engenharia e Permacultura sigam caminhando de mãos dadas, fluindo nas mentes e corações inspirados dos novos alunos, e nas ações promissoras dos futuros engenheiros-permacultores. Convites de parcerias com universidades reforçam  o sentimento. Que assim seja!

PS: Meu sincero agradecimento ao Lucca do EP pelo convite, e ao Bruno pela carona…

Compartilhe:

Fluxus Contrata – CVs até 24/Jan!

Car@s amig@s,

Estamos buscando um profissional com formação técnica, prática e/ou acadêmica que atenda os pré-requisitos abaixo:
. Hidráulica predial (teoria e/ou prática) – nível intermediário/avançado;
. Informática: AutoCAD e Excel – nível intermediário/avançado;
. Inglês intermediário / avançado (para leitura/estudos e conversação);
. Prática diária de princípios mínimos de sustentabilidade;
. Perfil: pró-ativo, organizado, disposto a aprender e a colaborar na melhoria contínua dos nossos processos, habilidade para lidar simultaneamente com diversos projetos, e comunicativo(a). , disposto(a) a desenvolver projetos que desafiam a lógica convencional de processos e materiais voltados a sustentabilidade – em ambientes urbanos e rurais – com foco em soluções voltadas ao manejo integrado de Água, segundo a visão da Permacultura.

Desejável:

Habilidades no uso do Sketchup, REVIT ou outro software 3D;
Conhecimentos de permacultura;
Noções de hidrologia;

More na região da Vila Madalena/Sumaré/Pompéia/Pinheiros/Lapa/ Barra Funda ou imediações.

Disponibilidade:

Inicialmente de 3 a 5 vezes por semana, meio período ou integral, de acordo com o perfil e disponibilidade;
Contrato temporário de 3 meses, com vistas a incorporação do(a) contratado(a) como colaborador(a) permanente do escritório.

Atividades:

Elaboração de pré-estudos e projetos técnicos no AutoCAD, Sketchup e Excel, com suporte técnico da equipe Fluxus;
Visitas técnicas de acompanhamento de projetos;
Estudos técnicos visando desenvolvimento de novas plataformas de ação em gestão integrada de água segundo a visão da Permacultura.

Local de trabalho:

Escritório nas imediações da Rua Heitor Penteado (São Paulo), a poucas quadras do Metrô Vila Madalena, em escritório compartilhado, também sede da Livraria Tapioca.Net, com acesso a todo o acervo da livraria para estudos pessoais.

Para conhecer um pouco mais de nossos trabalhos acesse as páginas a seguir:

Blog Fluxus:

http://www.fluxus.eco.br

Fluxus no Facebook:

https://www.facebook.com/#!/pages/Fluxus-Design-Ecol%C3%B3gico/348851478464125?fref=ts

Projeto Harmonia 57 (2007/2008):

http://www.archdaily.com/6700/harmonia-57-triptyque/

Projeto Residencial em Itu (2008/2009):

http://www.leonardofinotti.com/projects/pv-house

Guia de Sustentabilidade em Meios de Hospedagem – Santander (2010)

http://sustentabilidade.santander.com.br/biblioteca/Lists/Biblioteca/DispForm.aspx?ID=127

Estádio Nacional de Brasília – Mané Garrincha (2012)

http://pagina22.com.br/index.php/2012/10/mane-garrincha-na-frente-do-gol/

Os interessados devem enviar CV com referências para o endereço fluxus@designecologico.net, com o assunto “VAGA” até 24/Janeiro. Início previsto em Fevereiro.

Compartilhe:

Curso Gratuito de Introdução à Permacultura Urbana na Subprefeitura de Pinheiros

Querid@s amig@s,

Começando mais um Ano com todo gás e renovados, reforçamos a brilhante novidade, de um curso gratuito de introdução à permacultura oferecido em conjunto com a subprefeitura de Pinheiros. Levando a permacultura para o coração da cidade!

Por favor, espalhem a novidade em suas redes!

Desejando um lindo ano de plenitude, realizações e muita Harmonia com nossas Águas,

 

Guilherme Castagna

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

 

Curso Gratuito de Introdução à Permacultura Urbana na Subprefeitura de Pinheiros

De 3 a 16 de fevereiro. Visitas técnicas e aulas às segundas e quartas a partir de 18h e no sábado (8/2). Atividades práticas no final de semana 15 e 16/2.

 

Conteúdo

  • O que é permacultura e exemplos de técnicas permaculturais aplicadas com sucesso em diversos países.
  • Manejo de água: captação de chuva e tratamento local de efluentes.
  • Eficiência energética e implementação de sistemas renováveis de energia.
  • Técnicas de agricultura urbana.
  •  Vermicompostagem doméstica e compostagem rápida de grande quantidade de resíduos orgânicos com a utilização de enzimas.

Com
Ariel Kogan, Claudia Visoni, Edward Borghstein, Felipe Pinheiro, Guilherme Castagna, Julio Avanzo, Natália Garcia, Peter Webb, Rui Signori

Inscrições até 17/1 (Vagas Limitadas!)
Acesse o formulário: http://goo.gl/tyHoU3

Realização

Grupo de Permacultores

CADES Pinheiros (Conselho de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz)

Compartilhe:

Vídeo “Produzido em São Paulo” revela cidade rural pouco reconhecida

Por AHPCE

E-mail

A mensagem de que São Paulo pode se tornar um caso exemplar para a produção orgânica, com seu mercado consumidor de cerca de 11 milhões de habitantes e áreas rurais que sustentam a qualidade de vida, é o pano de fundo do vídeo “Produzido em São Paulo” – iniciativa das organizações da sociedade civil que compõem a Plataforma de Apoio à Agricultura Orgânica na Cidade de São Paulo, que veem na agroecologia urbana o caminho para o município compensar seu enorme impacto ambiental, investindo em alimentos saudáveis e, consequentemente, na proteção do clima, água, ar e na saúde das pessoas.

O vídeo traz os resultados da Semana de Agroecologia, realizada em maio de 2013 na Câmara Municipal de São Paulo, e que representa um marco nas políticas públicas para o fortalecimento da produção orgânica na cidade, em que parlamentares e sociedade civil passaram a assumir compromissos conjuntos, a exemplo da construção do Projeto de Lei da Merenda Orgânica em São Paulo. Nasce também no âmbito da Plataforma, lançada em 2012, para comprometer candidatos a prefeito e vereador com a zona rural de São Paulo.

Em linguagem atraente e cativante, com base em histórias vivas e atuais, o filme dá voz a produtores, consumidores e especialistas no tema, revelando a relação entre a produção de alimentos orgânicos e a qualidade de vida do paulistano. O lançamento aconteceu em 16 de outubro, na Câmara Municipal de São Paulo, durante o ato Oficial da Semana Mundial da Alimentação.

Segundo os organizadores do vídeo, é possível transmitir às pessoas o valor de quem produz respeitando a terra e o alimento, e ao mesmo tempo viável ter políticas públicas que consideram o aspecto ambiental e social no sistema de produção, a exemplo das propriedades que protegem a água da cidade.

Se São Paulo possui 443 agricultores cadastrados em seu território, apenas a pequena parcela de dez produtores são orgânicos, comercializando seus produtos principalmente nas oito feiras orgânicas existentes hoje na cidade. Mas são os depoimentos e situações apresentadas pelo vídeo “Produzido em São Paulo” que revelam a dimensão do potencial de crescimento desse ecomercado.

Frequentadores da Feira do Modelódromo no Ibirapuera, por exemplo, questionam visão do alto custo dos orgânicos e reforçam sua economia em termos de saúde, evitando impactos do envenenamento por agrotóxicos. Já os produtores mostram o desafio da certificação orgânica, aliado ao prazer em se trabalhar em harmonia com a terra.

Assista a “Produzido em São Paulo” e compartilhe: http://www.youtube.com/watch?v=Dx1cH8keL64

Compartilhe:

Artigo sobre Manejo Integrado no Estádio de Brasília

Artigo sobre Manejo Integrado no Estádio de Brasília

O Portal AECWeb – O Portal de Arquitetura, Engenharia e Construção publicou como estudo de caso o projeto da Fluxus de manejo integrado de águas pluviais no Estádio de Brasília.

Vale ler o artigo e saber mais sobre o desenvolvimento desse projeto!

Compartilhe:

Curso de desenvolvimento criativo em Arquitetura e Design em novembro!

De uma viagem imersiva à África do Sul o casal Bruna Fogaça e Gabriel Arruda se encantaram com espaços que os impactaram por promoverem bem estar e aprendizado “passivo”: não era necessário dizer sobre a construção, ela falava por si!

As sincronias de 8 meses de encontros possibilitou que eles conhecessem os arquitetos que projetaram tal espaço, descobrindo que havia uma intenção, uma metodologia aplicada não apenas ao espaço, mas também às formas do design, da arquitetura à concepção de espaços e sua relação com o entorno e com os usuários. Descobriram também que esta metodologia não era puramente funcional, ela problematizava e considerava também as representações simbólicas, até espirituais e que esta dupla de arquitetos, Keith e Shannon, estavam envolvidos no desenvolvimento de um curso havia alguns anos para difundir a metodologia e compartilhar a experiência.

O encantamento foi tão intenso que voltando ao Brasil se esforçaram para possibilitar e viabilizar o curso aqui, pela primeira vez fora da África do Sul, e após muito cuidado, carinho e dedicação o curso está aberto à inscrições, em duas datas e locais: Em Ilha Bela, em formato imersivo de três dias 08, 09 e 10 de novembro e em São Paulo também em três dias 15, 16 e 17 de novembro.

Para maiores informações visite o site: http://www.cursodesignearquitetura.com.br/

Compartilhe:

Prêmio von Martius de Sustentabilidade 2013 anuncia finalistas

 Foram 100 projetos inscritos no total, 38 na categoria Humanidade, 38 na categoria Tecnologia e 24 em Natureza

 São Paulo, 19 de junho de 2013 – A Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha de São Paulo divulga hoje os finalistas das três categorias do Prêmio von Martius de Sustentabilidade 2013. O prêmio contempla trabalhos de empresas, organizações não governamentais, indivíduos, governos e instituições nacionais nas categorias Natureza, Humanidade e Tecnologia. Concorrem projetos concluídos ou em andamento que promovam o desenvolvimento econômico, social e cultural alinhado ao conceito de desenvolvimento sustentável.

 O prêmio teve, neste ano, 100 projetos inscritos, 38 na categoria Humanidade, 38 na categoria Tecnologia e 24 na categoria Natureza. Segundo Ricardo Rose, diretor do Departamento de Meio Ambiente, Energias Renováveis e Eficiência Energética, “existem projetos que, além de contemplarem a parte ambiental, também contemplam, por exemplo, a parte educacional, de conscientização. Partindo do pressuposto de que o Von Martius espelha aquilo que está se fazendo na sociedade em termos de projetos socioambientais, eu diria que hoje eles já deixaram de ser feitos apenas para cumprir uma norma ou para resolver problemas pontuais. Eles estão mais aprofundados, preocupam-se em capacitar as pessoas, em conscientizar as pessoas, buscam resultados também de médio e longo prazos”.

O jornalista e consultor Rogério Ruschel, coordenador do processo seletivo do von Martius desde 2000, destaca a maior participação das empresas como proponentes na premiação: “Nas primeiras edições eram muito mais ONGs ou entidades sem fins lucrativos que inscreviam projetos, e agora há mais empresas, ou empresas em parceria com ONGs, e a leitura que eu faço disso é que o conceito de sustentabilidade vem sendo mais absorvido pelas companhias”.

Finalistas – Na categoria Tecnologia, foram selecionados os projetos: “Cogeração de Energia – Aproveitamento do Biogás da ETE Arrudas”, da Copasa/MG;”CEDIR – A Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos na visão ampliada de sustentabilidade da proteção do meio ambiente à promoção do bem social”, da Superintendência da Tecnologia da Informação – CEDIR (Centro de Descarte e Reuso de Resíduos da Informática); e “Manejo integrado de águas pluviais do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha”, da Fluxus Consultoria Ambiental Ltda.

Na categoria Humanidade, são finalistas: “Heróis do Futuro”, do Serviço Social da Indústria – Depto Regional do RJ; “PROJETO ECO ELETRO – Capacitação de catadores para reciclagem de lixo eletrônico”, do Instituto GEA – Ética e Meio Ambiente; e “Programa Benchmarking Brasil”, da Mais Serviços e Consultoria Empresarial Eireli (Mais Projetos).

Em Natureza, os projetos “Fundo Vale: 3 anos investindo no desenvolvimento sustentável do bioma amazônico”, do Fundo Vale – Associação Vale para o Desenvolvimento Sustentável; “Programa Empreendedores da Conservação – E-CONS”, da SPVS (Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental); e “Programa Origem Sustentável – A Garantia da Cadeia Produtiva de Setor Calçadista em prol da Natureza”, do Instituto By Brasil, chegaram à final.

A revelação da colocação dos finalistas (em 1º, 2º e 3º lugares) e a entrega dos prêmios acontecerão no próximo dia 26, durante a Ecogerma 2013, congresso de tecnologias sustentáveis organizado pela Câmara Brasil-Alemanha no Cub Transatlântico, em São Paulo.

 Pioneirismo – Criado no ano 2000 pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha de São Paulo por meio de seu Departamento de Meio Ambiente, Energias Renováveis e Eficiência Energética, o Prêmio leva o nome do pesquisador alemão Carl Friedrich Phillip von Martius (1794 – 1868), cujo trabalho de pesquisa científica, durante a viagem de quase três anos pelo Brasil, entre 1817 e 1820, contribuiu para o conhecimento e a valorização do ambiente natural e cultural de nosso País.

Em 11 edições, o von Martius recebeu a inscrição de 1.741 projetos, tendo premiado 99 cases.  Nos anos 2011 e 2012, a sua realização foi suspensa temporariamente, retornando agora, em 2013.

O pioneirismo sempre marcou a sua trajetória. Criado como Prêmio von Martius de Meio Ambiente, passou, em 2007, a reconhecer relatos de melhores práticas (cases) de Sustentabilidade como um todo –  sendo o primeiro no Brasil a fazê-lo. Também foi o primeiro a premiar cases de tecnologia; o primeiro a ter o apoio do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma-ONU); o primeiro a compartilhar os projetos inscritos em um livro distribuído gratuitamente; o primeiro a adotar uma auditoria externa independente de procedimentos; o primeiro a ter uma certificação da pegada ecológica e o primeiro a compensar as emissões de gases de efeito estufa (GEE´S) do Brasil.

A edição 2013 do Prêmio von Martius de Sustentabilidade tem o patrocínio da Volkswagen, o apoio do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA,) do World Wild Fund (WWF) e  da Sustentax – Engenharia de Sustentabilidade; auditoria de procedimentos da BRTUV  e compensação de GEES da CarbonFix.

Sobre a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK)

A Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK) é uma entidade que desenvolve um papel essencial no fomento das relações econômicas entre os dois países. Filiada à Confederação Alemã das Câmaras de Comércio e Indústria (DIHK), ela atua como base para o fortalecimento e a diversificação dos negócios de seus associados, na atração de investimentos para o Brasil, na ampliação do comércio bilateral e na cooperação entre os países do Mercosul e da União Europeia.

No Brasil há 96 anos, a Câmara Brasil-Alemanha congrega 1.700 associados, entre empresas de capital ou know how alemão instaladas no Brasil e companhias brasileiras e alemãs voltadas ao comércio exterior, e conta com 220 funcionários e está presente  em 14 cidades brasileiras. Por meio da Câmara Brasil-Alemanha, os associados se beneficiam de uma rede de mais de 114 câmaras espalhadas em 81 países, além de 83 entidades do gênero na Alemanha. Em 2012, a Câmara Brasil-Alemanha trouxe para o Brasil 43 delegações empresariais e contou com a participação de 15 mil executivos em congressos, seminários e reuniões ao longo do ano.

Compartilhe:

FLUXUS Abre vaga – Desenhista SketchUP

Car@s amig@s,
Fluxus Design Ecológico está divulgando vaga para possíveis interessados para integrar nossa equipe pontualmente para um projeto, podendo estender a uma relação de parceria para futuros trabalhos.
Nossa área de atuação: Projetos de engenharia voltados ao manejo integrado de água, segundo a visão da permacultura.

Abaixo seguem as informações sobre a vaga:

Buscamos um profissional com formação técnica, prática e/ou acadêmica para nos apoiar na elaboração de projeto na plataforma Sketchup, e que atenda os pré-requisitos abaixo: 

. SketchUP – Avançado;
. Hidráulica predial (teoria e/ou prática) – nível básico/intermediário;
. Informática: AutoCAD – nível básico/intermediário;
. Pratica diária de princípios mínimos de sustentabilidade;
. Perfil: pró-ativo, organizado, disposto a aprender, ensinar e a colaborar na melhoria contínua dos nossos processos, habilidade para lidar simultaneamente com diversos desenhos/projetos, e comunicativo(a), disposto(a) a desenvolver projetos que desafiam a lógica convencional de processos e materiais voltados a sustentabilidade – em ambientes urbanos e rurais – com foco em
soluções voltadas ao manejo integrado de Água, segundo a visão da Permacultura.

Desejável: 

. Conhecimentos de permacultura;
. Noções de hidrologia;
. More na região da Vila Madalena/Sumaré/Pompéia/Pinheiros/Lapa/Barra Funda ou imediações.

Disponibilidade: 

. Inicialmente de 3 a 5 vezes por semana, meio período (manhã preferencialmente), de acordo com o perfil e disponibilidade.

Contrato temporário para projeto específico, com término previsto para outubro, com possibilidade de incorporação do(a) contratado(a) como parceiro para futuros projetos da FLUXUS. 

Atividades: 

. Elaboração de pré-estudos e projetos técnicos no Sketchup e AutoCAD, com suporte técnico da equipe Fluxus;
. Possíveis visitas técnicas de acompanhamento de projetos;
. Estudos técnicos visando desenvolvimento de novas plataformas de ação em gestão integrada de água segundo a visão da Permacultura.

Local de trabalho: 

Escritório nas imediações da Rua Heitor Penteado (São Paulo), a poucas quadras do Metrô Vila Madalena, em escritório compartilhado, também sede da Livraria Tapioca.Net, com acesso a todo o acervo da livraria para estudos pessoais.

Os interessados devem enviar CV com referências para o endereço: fluxus@designecologico.net com o assunto “VAGA” até 30/Junho. Início previsto em JULHO.

Para conhecer um pouco mais de nossos trabalhos acesse as páginas a seguir:
http://www.fluxus.eco.br [2]
https://www.facebook.com/#!/pages/Fluxus-Design-Ecol%C3%B3gico/348851478464125?fref=ts [3]
http://www.archdaily.com/6700/harmonia-57-triptyque/ [4]
http://www.leonardofinotti.com/projects/pv-house [5]
http://pagina22.com.br/index.php/2012/10/mane-garrincha-na-frente-do-gol/ [6]
http://sustentabilidade.santander.com.br/biblioteca/Lists/Biblioteca/DispForm.aspx?ID=127 [7]

Atenciosamente


 

Compartilhe:

1º Simpósio Brasileiro sobre aplicação de Wetlands Construídos no tratamento de Águas Residuárias

Parte de nossa Equipe Técnica esteve presente no 1º Simpósio Brasileiro sobre aplicação de Wetlands Construídos no tratamento de Águas Residuárias, realizado entre os  dias 09 a 11 de Maio de 2013, no Auditório da Reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina -UFSC.

Cerimonial de Abertura - Apresentações Oficiais e Hino Nacional.

Cerimonial de Abertura – Apresentações Oficiais

salão

Hino Nacional

Um evento de grande importância para o Brasil, uma vez que muitas universidades e pesquisadores vêm desenvolvendo seus estudos e aprimorando tecnologias relacionadas aos sistemas biológicos de tratamento de águas residuárias, em especial, os Wetlands Construídos.

O que são Wetlands construídos?

Wetlands (ou brejos) construídos são bacias alagadas com nível d’agua variável, estruturada para potencializar o tratamento realizado em ambiente aquático, com a melhoria de diversos parâmetros de qualidade, incluindo a retenção pontual de nutrientes, de forma natural.

Existem três principais tipos de Wetlands em relação ao fluxo hidráulico:

Wetland Construído de Fluxo Vertical Descendente

Wetland Construído de Fluxo Vertical Descendente FONTE: Andrade 2002.

Wetland Construído de Fluxo Vertical Descendente
FONTE: Andrade 2002.

Wetland Construído de Fluxo Vertical Ascendente

Wetland Construído de Fluxo Vertical Ascendente

Wetland Construído de Fluxo Vertical Ascendente
FONTE: Caderno de Agroecologia das Terras Altas da Mantiqueira-MG 2010

Wetland Construído de Fluxo Horizontal

Esta categoria se sub-divide em filtro de fluxo Superficial (água aparente) e fluxo Sub-superficial (sem água aparente)

horizontal

Wetland Construído de Fluxo Horizontal Sub-superficial

As Wetlands de fluxo Horizontal Superficial carregam certo receio por parte dos projetistas, uma vez que a lâmina d´água fica aparente, podendo ser criatório de mosquitos causadores de doenças, como o mosquito causador da dengue (Aedes aegypti).

A Fluxus apresentou no Simpósio a aplicação do conceito de utilização de wetlands para melhoria da qualidade de águas pluviais, conforme utilizado no projeto do Estádio Nacional de Brasília “Mané Garrincha”, onde foi adotado sistema com plantas emergentes, fixas através de suas raízes à um substrato, e cujas folhas crescerão acima da superfície da lâmina d’água.

Em cada uma das duas lâminas  do lago, há uma bomba solar que faz a recirculação da água entre o lago e a região de Wetland, favorecendo a oxigenação da água, e possibilitando a filtragem complementar da água pelo sistema de tratamento em Wetland de fluxo horizontal superficial, eliminando a formação de criatórios de mosquitos através da movimentação da água.

Wetland Construído Horizontal de Fluxo Superficial

Wetland Construído Horizontal de Fluxo Superficial

Enquanto a aplicação de wetlands no tratamento de águas residuárias (esgoto doméstico, efluentes de agroindústrias, lixiviado de aterros sanitários e outras aplicações similares) é realizada por sistemas plantados geralmente com suporte de material filtrante como pedra e areia, a dinâmica no tratamento de águas pluviais com vistas à redução da carga de poluição difusa pode ser feita sem o aporte destes materiais, reduzindo significativamente o custo, e o impacto ambiental (dispensando as operações de mineração de areia e pedra bem como toda a cadeia a ela associada), facilitando ainda a manutenção dos sistemas.

Poluição Difusa

É a poluição levada aos corpos d’agua pelo escoamento superficial de água a partir de áreas impermeáveis ou de baixa permeabilidade, como quintais, telhados, estacionamentos, e vias públicas, sendo dita difusa pois apresenta diversas origens de dificil identificação, podendo ser proveniente da emissão de escapamentos ou motores de veículos, de produtos químicos usados na limpeza e lavagem de pisos, óleos e graxas, bitucas de cigarro, resíduos sólidos, fezes de animais, e de fertifilizantes químicos, principalmente na área rural. Estudos recentes mostram que a carga de poluição difusa presente nos rios é maior do que aquele proveniente de ligações de esgoto (oficiais ou clandestinas), mostrando a importância da adoção de sistemas de melhoria de qualidade de águas pluviais no meio urbano, ou rural. Estes sistemas recebem o nome de “medidas compensatórias”, pois são dimensionados para compensar a criação de áreas impermeáveis com a redução da vazão de escoamento de pico, e com a melhoria da qualidade de água. Quando planejados num âmbito de maior escopo, são também chamados de infraestrutura verde.

Visita de Campo

No último dia do Evento foi realizada uma visita de campo a um dos sistemas implantados pela empresa Rotária do Brasil,  para o tratamento de esgoto de um condomínio residencial em um sistema de tratamento composto por reator anaeróbio compartimentado seguido de Wetland Construído de Fluxo Vertical Descendente. A desinfecção é feita através de pastilha dosadora de cloro e o efluente é devolvido ao corpo d´água local com qualidade atendendo os padrões exigidos pelo CONAMA

Grupo durante visita a campo.

Grupo durante visita a campo

Controle de Nível na saída do tratamento.

Controle de Nível na saída do tratamento

Somos gratos por ter conhecido novas pessoas e re-encontrado velhos amigos parceiros engajados pela causa do cuidado das nossas águas. Não importa onde estejamos, é nosso dever se responsabilizar de forma cuidadosa pelo tratamento de nossas águas servidas, devolvendo-as no mínimo tão limpas quanto a água que usamos. Fluxus está empenhada em aplicar tecnologias acessíveis e disponíveis, com baixíssimos gastos de operação e manutenção e com excelentes resultados de eficiência no tratamento das águas residuárias em projetos rurais e urbanos.

Além de purificar a água, as wetlands, uma vez implantadas passam a ser habitats para fauna local, belíssimos jardins, com potencial produção de fibras e biomassa, além de se tornar ambientes que acrescem umidade no entorno, favorecendo a regeneração dos ecossistemas.

Participantes do 1º Seminário de Wetlands Construidas (Brasil, Florianópolis/2013)

Participantes do 1º Seminário de Wetlands Construídas (Brasil, Florianópolis/2013)

Compartilhe:

Jardins de Chuva: Lançamento de Cartilha Técnica Gratuita

Produzido pelo FCTH, em parceria com a ABCP em seu programa Soluções para Cidades, esta é a primeira publicação disponibilizada em sua seção dedicada ao Saneamento, com foco nas questões relacionadas à Drenagem de águas pluviais. Fugindo dos conceitos convencionais de drenagem, que buscam eliminar a presença da água através da implantação de “sistemas eficientes” de rápido direcionamento às galerias e corpos hídricos, a cartilha sinaliza de forma clara uma nova abordagem que favorece a retenção e melhoria da qualidade da água de drenagem “na fonte”, em sistemas simples e multifuncionais. Uma visão diametralmente oposta ao que vemos em nossas cidades, e que se implantados em larga escala criam condições favoráveis à recriação do ciclo hidrológico nas cidades, com a recarga do lençol freático, purificação e redução da poluição difusa, melhoria do microclima pela ação de evapotranspiração das plantas, criação de habitat para fauna local, redução dos volumes direcionados para redes pluviais e consequente redução de seção e de custo das galerias, e manutenção da qualidade dos mananciais locais. Um primeiro e fundamental passo para a melhoria da qualidade dos rios urbanos, largamente impactados pela poluição difusa das cidades.

Idealizado para avaliação e capacitação de prefeituras na implantação de programas municipais de drenagem, pode ser aplicado em vias públicas ou quintais de casas ou edifícios.

A técnica foi utilizada pela Fluxus em seu recente projeto de manejo integrado de água pluvial idealizado para o Estádio Nacional de Brasília, conforme post anterior (em Projeto de Manejo Integrado de Água Pluvial para o Estádio Nacional de Brasília).

Nossos agradecimentos sinceros ao inspirador trabalho desenvolvido pela ABCP e equipe do FCTH, responsáveis pela elaboração e produção deste primeiro caderno técnico.

Mais informações em:

http://solucoesparacidades.com.br/saneamento/4-projetos-saneamento/jardins-de-chuva/

Compartilhe: